Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Revistas > Edição 11 - Março de 1999
Início do conteúdo da página

Edição 11 - Março de 1999

Publicado: Quinta, 10 de Novembro de 2016, 16h43 | Última atualização em Terça, 17 de Janeiro de 2017, 16h39 | Acessos: 184

Nossos Meios RBC RevMar1999 RBC11

EDITORIAL
EXPEDIENTE
CARTAS
SAIU NA IMPRENSA
AGENDA
LEITURA

ARTIGOS:
Sobre a experiência estética de pessoas portadoras de deficiência: uma abordagem semi-aristotélica
Autor: Prof. Dr. Joã Vicente Gazarolli de Oliveria

Resumo: Este artigo reproduz uma palestra pronunciada no dia 3 de setembro de 1998, na cidade eslovena de Ljubljana, por ocasião do XVI International Congress of Aesthetics. Seu título original é Handicapped people and the experience of beauty: a quasi Aristotelian approach.

O cego, o espaço, o corpo e o movimento: Uma questão de orientação e mobilidade
Autor: Prof. Ms. Admilson Santos

Resumo: Este texto enfoca conceitos básicos que fundamentam a orientação e Mobilidade como elemento indispensável no processo educacional e na reabilitação de pessoas cegas

A criança deficiente visual e seus pais
Autor: Kay Alicyn Ferrel
Tradução: Vicky Alder Amádio (adaptação livre de Antônio Menescal)

Resumo: Este artigo, com o título original Parenting preschoolers: suggestions for raising young blind and visually impaired children, foi publicado em inglês, em 1984, pela American Foundation for the Blind Press. Ao tomar a decisão de adaptá-lo à atual realidade brasileira e publicá-lo em português, destinamos seu conteúdo especificamente aos pais de crianças cegas e portadoras de visão subnormal, esperando que ele possa atuar como elemento de esclarecimento e de diminuição de angústias, medos e incertezas. Longe de apresentar-se como um texto acadêmico, A criança deficiente visual e seus pais não tem, também, a pretensão de apresentar receitas prontas. O objetivo de sua publicação prende-se à necessidade percebida de informações que possam fazer com que a relação da criança deficiente visual com seus pais se estabeleça enquanto elemento facilitador do seu desenvolvimento. Antes da escola e de nós educadores, a criança cega ou portadora de visão subnormal tem na sua família a célula mater de seu processo educacional. Favorecer, através da introdução de informações práticas, acessíveis e diretas, a relação criança-família é a função básica pretendida por esse trabalho.

RELATOS:
Homenagem a José Espínola Veiga
João Delduck Pinto Filho
Vida e obra de José Espínola Veiga
Eva Serra e Marcelo de Moura
IBC em parceria com a Escola Técnica Federal Campos/UNED – Macaé na capacitação de profissionais
Luiza Helena Lopes Pereira

DEPOIMENTO:
Andar sozinho
José Ricardo da Silva Homem

PERFIL:
Dorina Nowill: uma mulher de visão
adaptação de Ana Paula Pimentel

INFORME:
Projeto "Museu e a Pessoa Deficiente"

PALAVRA FINAL:
I Jogos Brasileiros Infanto-Juvenis de Cegos

Fim do conteúdo da página