Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Curso de Transcrição Braille contempla todas as regiões do Brasil
Início do conteúdo da página
Notícias

Curso de Transcrição Braille contempla todas as regiões do Brasil

Representantes de GO, MA, PA, RJ e SC buscam conhecimentos para aperfeiçoarem suas práticas.

  • Publicado: Sexta, 26 de Maio de 2017, 08h07
  • Última atualização em Quinta, 08 de Junho de 2017, 06h56
imagem sem descrição.

O curso que começou dia 15 e termina hoje (26) abordou os processos de produção de textos em braille e a aplicação das normas técnicas para a transcrição de textos e do código matemático. Foi ensinado ainda os principais recursos do software Braille Fácil e a instalação e configuração de impressoras braille. A duração da capacitação é de 80 horas.

O professor Thiago Ribeiro Duarte ministrou o curso para 13 pessoas que vieram de todas as regiões do Brasil. Os Estados presentes foram Goiás (1), Maranhão (1), Pará (5), Rio de Janeiro (5) e Santa Catarina (1). A grande abrangência da ação também ocorreu no Estado sede do IBC, com a participação de representantes de Angra dos Reis, Arraial do Cabo, Barra Mansa, São Gonçalo e São João de Meriti.

A atuação indireta do IBC junto aos deficientes visuais nos Estados pode ser entendida nas falas dos cursistas: a professora da Prefeitura de Angra dos Reis (RJ), Juliana Andréia da Silva Pimentel, informou que no município são atendidos 100 alunos com deficiência visual, sendo 60 em escola especializada e outros 40 na rede regular.

A professora Angela Regina Ueker, de Chapecó (SC), disse que 38 municípios são assessorados pelo Núcleo de Apoio Pedagógico e Produção Braille (NAPPB), o que beneficia mais de 60 alunos com deficiência visual.

Já a Tatiana Nazaré de Carvalho, especialista em educação especial em Belém (PA), disse que 107 alunos com deficiência visual estão matriculados nas unidades da Universidade Federal do Pará (UFPA) e são assistidos pela Coordenadoria de Acessibilidade que produz o material em braille. Na escola de aplicação da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), segundo Mayk da Silva Machado, de São Luís (MA), cinco alunos são deficientes visuais.

Explicando o grande número de alunos com deficiência visual na UFPA, o professor Aluísio Nogueira dos Passos disse que "em 2003 foi realizado um projeto na Unidade de Referência José Alvares de Azevedo, onde os alunos deficientes visuais do ensino médio passaram a ter um atendimento especializado em cada disciplina". A professora Tatiana falou que a Lei de Cotas também foi fundamental.

Uma curiosidade é a participação de Ana Paula do Nascimento Alves Oliveira, mãe de aluno do 4º ano da escola do IBC, que decidiu fazer o curso para ajudar seu filho nos estudos.  

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página