Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fique por dentro > Cegueira e Baixa Visão
Início do conteúdo da página

braille mao

Luz e trevas

Publicado: Terça, 05 de Setembro de 2017, 12h31 | Última atualização em Sexta, 11 de Maio de 2018, 14h32 | Acessos: 1181

Links relacionados:

 

“E a terra era sem forma e vazia: e havia trevas sobre a face do abismo; e o 'Espírito de Deus' se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz. E houve luz. E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.”

Livro do Gênesis, Capítulo I.


Não raramente, utilizamos a expressão “fechar os olhos” com a acepção de “ignorar” ou “não considerar”. Independente do significado empregado, o “fechar os olhos” carrega em si a ideia de que a LUZ precede a Criação e, por que não dizer, nossa percepção do mundo e da própria realidade. A ausência de luz, comumente denominada “TREVAS”, seria, por outro lado, associada a coisas como “ignorância”, “desordem”, “não existência”.

Esses conceitos encontram-se presentes em nossos arquétipos mais significativos e deles fazemos uso, mesmo sem nos dar conta. Contudo, uma abordagem mais crítica e objetiva acerca das coisas que dizemos e fazemos em nosso dia a dia, em nome dessas "ideias pré-concebidas", nos levaria à conclusão de que as mesmas abrigam preconceitos, erros de avaliação. Buscamos a luz e, ao mesmo tempo, nos afastamos dela!


Muitos rejeitam o indivíduo de cor “negra” e, ao fazerem isto, estão, inconscientemente, admitindo a si mesmos que a cor da pele é condição necessária e suficiente para classificar alguém como “incapaz”, “ignorante”, “incompetente”. Usam a luz para ocultar as trevas, que aqui se manifestam através da descriminação, da indiferença, da marginalização. Torna-se mais fácil, simplesmente, “fechar os olhos”.


Da mesma forma, não são poucos aqueles que encaram a cegueira como sendo uma condição limitadora, ou mesmo incapacitadora. A cegueira é vista sob a ótica do medo. Mantendo-se distante o indivíduo cego, procura-se afastar o receio inconsciente da “privação da luz”. O conhecimento puro e objetivo que poderia advir da compreensão da realidade do indivíduo cego é, então, deixado de lado e, mais uma vez, “fecha-se os olhos”.

Longe de ser limitado por sua condição, o deficiente visual não deve ser visto como “uma pessoa digna de dó”, “uma pessoa desafortunada”, “alguém que precisa ser tutelado, assistido em todos os seus atos”. Não obstante o fato de 

que tem necessidades especiais, o deficiente visual apresenta os mesmos sentimentos e aspirações daqueles considerados “videntes”. Possui, portanto, potencial que precisa ser estimulado e trabalhado de modo a possibilitar sua integração ao mundo em que vive.


Assim sendo, tendo em vista tudo o que foi exposto, as seguintes quetões poderiam ser objeto de maior estudo e reflexão:

– O que é a deficiência visual?

– Quais são seus aspectos físicos e psicológicos?

– Como o indivíduo constrói sua realidade enquanto deficiente visual, interagindo com o mundo que o cerca?

– Como o deficiente visual orienta-se no espaço à sua volta, construindo sua autonomia?
– Quais os direitos do deficiente visual enquanto cidadão?

– Como seria abordada a educação do deficiente visual?

– Por que meios o deficiente visual teria acesso aos meios de informação?
– Que aspectos envolveriam as relações afetivas com, e entre, deficientes visuais?


Buscando respostas a estas indagações, procurou-se reunir nesta seção diversos artigos, selecionados dentre os muitos publicados ao longo das diversas edições da Revista Benjamin Constant. 


Esperamos, com esta seção, fornecer um painel o mais abrangente possível sobre a questão da cegueira e suas diversas implicações. Não temos, contudo, a pretensão de esgotar tudo o que há para ser dito sobre este tema. Estamos, portanto, aberto a novas inclusões e/ou sugestões que venham a ampliar ainda mais o nosso “OLHAR SOBRE A CEGUEIRA”.

Afinal, ausência de luz não significa “ausência de vida”, mesmo porque a luz que mais brilha é aquela que mantemos acesa dentro de nós!

 

Gerson F. Ferreira

Coordenador-geral de Informática do IBC

 

Fim do conteúdo da página