Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Cláudio Luiz da Costa

Publicado: Quinta, 03 de Setembro de 2020, 23h52 | Última atualização em Quarta, 16 de Setembro de 2020, 10h05 | Acessos: 77

Cláudio Luiz da Costa foi um médico (parteiro e cirurgião) e escritor brasileiro nascido no município de Desterro, atual Florianópolis (SC), em 28 de setembro de 1798.  Foi cirurgião-mor reformado do Exército, membro titular da Academia Imperial (hoje Academia Nacional de Medicina), membro da cadeira 4 da Academia Catarinense de Letras e segundo diretor-geral do Imperial Instituto dos Meninos Cegos, hoje Instituto Benjamin Constant no período de 1856 a 1869, sucedendo o também médico José Francisco Xavier Sigaud.  

Uma de suas primeiras providências ao assumir a direção do Instituo foi comprar o prédio em que ele vinha funcionando desde a sua fundação, na rua do Lazareto nº3, no bairro da Gamboa —imóvel esse alugado pela viúva de Joaquim José Pereira de Faro, 1º Barão do Bom Retiro (OLINDA, 1858, apud FONSECA, M. R. G. F, 2009). Porém, não demorou muito para que Cláudio percebesse o quanto o local era insalubre e potencialmente danoso à saúde dos alunos e demais profissionais que lá trabalhavam.  

Passou grande parte da sua gestão tentando convencer o governo a transferir a escola para outro lugar, o que acabou acontecendo apenas 10 anos depois, com o aluguel do prédio de nº 17 localizado no Campo da Aclamação, no centro da cidade.  A mudança para o novo prédio efetivou-se em 16 de junho de 1866. No entanto, o prédio, de apenas dois pavimentos logo também se mostraria insuficiente para atender à demanda crescente de novas vagas para estudantes cegos vindos de todas as regiões do País.  

Neste ínterim, já em 1862 ele já havia contratado como professor o militar, engenheiro e doutor em matemática e ciências físicas Benjamin Constant Botelho de Magalhães, afastado de suas atividades profissionais devido à malária contraída durante a Guerra do Paraguai, que se tornaria o seu principal colaborador, além de genro — com 29 anos, o jovem professor não demorou a conhecer e pedir em casamento uma das duas filhas do diretor, Maria Joaquina, de apenas 15 anos, com quem teve oito filhos.   A outra filha de Cláudio, Olímpia Coriolano casara em 1858 com o poeta maranhense Antônio Gonçalves Dias, mas o casamento não sobreviveu à crise causada pela morte da filha recém-nascida em 1956, findando no mesmo ano.  

No dia 27 de maio de 1869, sete anos após a chegada de Benjamin Constant ao Instituto, Cláudio Luiz da Costa faleceu, cabendo ao genro sucedê-lo e dar continuidade ao processo de consolidação da educação especializada para cegos no Brasil.  Seria ele a comandar o processo de transferência para a nova sede a ser construída em um terreno de 9.515 m2localizado na Praia da Saudade, atual Praia Vermelha, doado pelo Imperador D. Pedro II em 1872. 

Fim do conteúdo da página