Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Cursos de extensão > Baixa Visão – Turma 1
Início do conteúdo da página

Baixa Visão – Turma 1

Publicado: Segunda, 12 de Setembro de 2016, 15h50 | Última atualização em Quinta, 06 de Julho de 2017, 09h40 | Acessos: 1458

Público: Profissionais das áreas de Educação e Saúde e outros profissionais, com graduação completa e interesse na área.

Ementa: A conceituação de baixa visão; as principais patologias que causam a baixa visão; os recursos ópticos e não-ópticos; os números das deficiências segundo o censo de 2000; novos paradigmas conceituais das deficiências; acessibilidade; as necessidades de pessoas com baixa visão - crianças em desenvolvimento e adultos em reabilitação; o desenvolvimento, a escolaridade, a alfabetização, as necessidades didáticas e pedagógicas; informática; ampliação.

Carga horária total: 40 horas/aula

Pré-requisitos: não há

Nº de vagas: 25

Período do curso: de 03 a 07/07/2017.

Horário: de segunda a quinta-feira das 8 h às 17 h e sexta-feira das 8 h às 11:30 h.

Período de pré-inscrição: de 03/04 a 05/05/2017.

Documentos obrigatórios: 
Ficha de Pré-Inscrição preenchida na íntegra
Documento de identidade
Certificado de conclusão de curso na área da Educação ou declaração da Instituição de que é aluno regularmente matriculado em curso desta área. No caso das demais áreas, certificado de conclusão de curso superior.
Foto 3 x 4 recente (apresentar no 1º dia de aula)

Leitura obrigatória: Orientações gerais para pré-inscrição nos cursos e outras informações importantes

Para certificação: frequência mínima de 80% e entrega à DCRH da avaliação de reação/satisfação preenchida.

Professores: Maria Rita Campello Rodrigues e João Ricardo Melo Figueiredo

Breve currículo: 
Maria Rita Campello Rodrigues – Doutora em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF, 2013); Mestre em “Ciência da Motricidade Humana” pela Universidade Castelo Branco (UCB, 2005); graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Santa Úrsula (USU, 1978) e em Fisioterapia pelo Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação (IBMR, 1999); com especialização em Estimulação Precoce pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ, 1984), em Psicomotricidade pela Universidade Cândido Mendes (UCAM, 2002) e na Área da Deficiência Visual pelo Instituto Benjamin Constant (IBC, 1982); professora do Instituto Benjamin Constant (IBC) desde 1982, tendo implantado o serviço de Estimulação Precoce para crianças com deficiência visual, onde atuou e coordenou por 25 anos.  Foi membro da equipe da Coordenação de Baixa Visão desde a sua criação em 1990 até 2010 e, desde 1987 é professora atuante nos cursos de especialização promovidos pelo IBC para capacitação de professores nas disciplinas de Estimulação Precoce e Baixa visão. Atualmente é também professora do Curso de Especialização a Distância (CEAD) em Educação Especial na área da Deficiência Visual da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO.

João Ricardo Melo Figueiredo - Doutor em Linguística pela UFRJ e Mestre na mesma área pela UFRJ onde se graduou em Letras. Foi professor do Curso de Pós-graduação em Educação Especial da UNIRIO (2007 e 2008), onde atuou nas disciplinas de psicologia e desenvolvimento do deficiente visual e orientação de TCC. Também foi docente do Curso Ortóptica da Uni-IBMR (2008 a 2010), atuando no Curso de Baixa Visão. Elaborou e desenvolveu o Curso Baixa Visão – um enfoque pedagógico na Faculdade de Letras da UFRJ (2009). Docente do Instituto Benjamin Constant (IBC) desde 2007, foi Diretor do Departamento de Educação no período de 2010 a 2014. No IBC, também atuou na produção de material para baixa visão,  na Comissão Técnico-Científica e na Revista Benjamin Constant como membro de seu Conselho Editorial. Atualmente é Diretor Geral do Instituto Benjamin Constant, 

Programa:
1. Cegueira e baixa visão.
2. Histórico de atendimento para baixa visão.
3. Recursos não-ópticos.
4. Recursos ópticos.
5. Recursos eletrônicos.
6. Acessibilidade e baixa visão.
7. Patologias que causam baixa visão.
8. Utilização funcional do resíduo visual.
9. Laboratório prático – como meu aluno enxerga e como posso ajudá-lo?
10. Estimulação visual.
11. Alfabetização da criança com baixa visão.
12. Informática, adaptação digital de material didático e ampliadores de tela.
13. O aluno com baixa visão no ambiente escolar, estudo de casos.

Metodologia: aulas teóricas e atividades práticas.

Avaliação: não há.

 

Fim do conteúdo da página