Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Notícias

Radialista com deficiência visual fala dos principais obstáculos profissionais

Depoimento ocorreu na última quinta-feira (6) durante palestra sobre a linguagem e as histórias do rádio transmitido ao vivo, em atividade trazida para as festividades do IBC pela Associação dos Ex-Alunos.

  • Publicado: Quinta, 13 de Setembro de 2018, 12h49
  • Última atualização em Quinta, 13 de Setembro de 2018, 18h29
  • Acessos: 118

Links relacionados:

Radialista Marco Aurélio fala aos reabilitandos do IBC no Auditório Maestro Gurgulino

Marcus Aurélio de Carvalho, que usa o nome Marco Aurélio Carvalho como comunicador, nos mais de 30 anos de trabalho no rádio passou por todas as funções de radialista e produtor. Praticamente dividiu o tempo de profissão entre a Rádio Tupi e o Sistema Globo de Rádio e, atualmente, apresenta o programa "Todas as Vozes", na Rádio MEC AM.

 

A deficiência visual

O palestrante descreveu que sua visão é monocular: "enxergo apenas com o olho esquerdo, porém, na visão é tudo bem pequeno e distante, como se fosse olhando por um tubo e é tremido também, por conta do nistagmo que é uma movimentação veloz e involuntária do olho". As patologias que o levou à baixa visão foram a catarata congênita e o glaucoma, "tenho 10% de visão", comentou.

Marcus Aurélio para ler faz uso de óculos com lente típica microscópica, no seu caso, que aumenta em seis vezes o que é observado. "Só que tenho que encostar o papel no rosto. Conheço papel por cheiro!", arrancou risos dos presentes. Indagado pela plateia sobre as dificuldades profissionais. o radialista apontou que como apresentador é a leitura de textos e como repórter esportivo era a identificação das pessoas quando elas saiam de campo.

A estratégia escolhida para superar os incovenientes da leitura é construir o texto na cabeça e falar de improviso, revelou Marcus Aurélio, que ainda estimou falar assim em 90% do tempo no ar. Quanto a identificação dos atletas, ficava atento a narração e de onde o jogador veio ao final do tempo da partida. Com estes elementos fazia uma seleção de quem poderia ser o potencial entrevistado: um lateral, um atacante... e, assim, juntava as informações com o que podia ver de trejeitos e o escutar das vozes. Marcus disse, sem esconder a própria surpresa, só ter errado uma vez o jogador, em tantos anos de repórter de campo. Na ocasião "o jogador foi muito elegante ao me corrigir e como o fez", ressaltou.

A experiência do curso de mestrado foi lembrada pelo palestrante durante a resposta: "No mestrado passei muito perrengue!", disse e explicou que o volume de leitura e escrita é enorme e inexiste preparo da universidade para oferecer livros adaptados e recursos para o aluno com baixa visão; "creio que o despreparo para atender à baixa visão seja maior do que para atender à cegueira", alertou o radialista.

 

A Palestra

Não foi a primeira vez que Marcus Aurélio esteve no IBC, aqui falou sobre rádio em 1993/97 e 98. Voltou em 2013 e em todos os anos seguintes. Na visita do último dia 6, para um público formado por alunos dos cursos de reabilitação do IBC, resolveu com o presidente da Associação dos Ex-Alunos do IBC, Gilson Josefino, adaptar o conteúdo da evolução do ráio para um diálogo sobre a linguagem do rádio, a importância da mídia para a pessoa com deficiência visual e as histórias engraçadas que o trabalho ao vivo acaba por promover. Vários áudios foram ouvidos e as risadas foram muitas.

Marcus Aurélio trouxe episódios que divertiram a plateia, como: o do narrador esportivo que chegou em cima da hora para acompanhar o time de sua cidade no estádio do adversário, numa cidade litorânea, desacostumado e esquecido da localização, alertou assustado os ouvintes que um "prédio" estava balançando ao fundo; era nada mais que um navio. O do locutor que possuia o hábito de parabenizar os ouvintes conforme as datas comemorativas e, desatento ao feriado, mandou um abraço aos homenageados pelo feriado; só que era o feriado de finados. A situação do repórter que entrou com a notícia da vitória da seleção brasileira que gerou um clima de extrema felicidade, descreveu sem pensar o clima de alegria com o bordão popular "todos pulam de alegria" com a conquista; entretanto o time era de atletas cadeirantes.

 

A família

Ao final, além do interesse pela profissão, os ouvintes perguntaram sobre o papel da família no sucesso do radialista deficiente visual e nascido no Complexo do Alemão. "Meu irmão é um crânio (gíria para pessoa inteligentíssima), meu pai consertava rádio e eu sempre curtindo as programações, meu irmão falava quando criança que iria construir rádios para eu falar neles, como radialista, não poderia existir maior prova de confiança. Ele, hoje, é engenheiro eletrônico e meu maior exemplo", contou Marcus Aurélio, demonstrando muita emoção. E concluíu a narrativa: "Minha mãe por tudo que passou tinha histórico de depressão, mas quando se tratava de mim era uma fortaleza, fez tudo ao seu alcance ou mais".     

 

 

  

Fim do conteúdo da página