Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Notícias

Espetáculo teatral retrata a solidão da velhice

A peça "Eu, a velha, o cachorro e o rádio" foi encenada ontem (28), no Teatro Benjamin Constant.

  • Publicado: Terça, 29 de Agosto de 2017, 13h04
  • Última atualização em Terça, 29 de Agosto de 2017, 13h11
  • Acessos: 503
Descrição da foto: várias pessoas tentando examinar, com as mão, o cão feito de sucata de metal.
Após a apresentação, os espectadores com deficiência visual tiveram a oportunidade de examinar a escultura do cão feita com sucata de metal.

 

Nos corredores do setor de Reabilitação, o assunto nas rodas de conversa girava em torno de um só tema: a velhice em todos os seus aspectos, principalmente o da dependência e o da solidão - temas abordados na peça que acabara de ser vista por uma plateia formada por alunos da segunda fase do ensino fundamental, da reabilitação, pais, acompanhantes e servidores do IBC.  A peça retratou a situação de abandono de uma idosa, moradora do décimo andar de um prédio sem elevador, que alimentava, ano após ano e em vão, a esperança de receber a visita do filho no dia do seu aniversário.  O isolamento crescente da mulher ia crescendo à medida que ficava mais difícil vencer as escadas que a separavam da rua e das demais pessoas, restando a ela a companhia apenas do cão de estimação, tão velho como ela.  

O espetáculo é uma adaptação da peça Morada dos Ossos, uma criação coletiva da Companhia EnsinoEmCena  que, por sua vez, foi escrita a partir do texto original com o mesmo nome, do dramaturgo e cineasta Francis Ivanovich.  O autor da adaptação exibida no IBC é o ator Paulo Vieira, que participou da montagem original.  Neste espetáculo, ele dividiu o palco com o músico George da Paixão que, ao violão, pontuava o monólogo do companheiro de cena com músicas de sua autoria, em parceria com Ivanovich.  

"O que me motivou a escrever esse texto foi um fato real acontecido em Portugal, cuja notícia me deixou perturbado na época - a descoberta das ossadas de uma idosa e do seu cão pelo novo proprietário do imóvel onde a senhora viveu e morreu sem que ninguém tenha dado por falta dela", explicou Ivanovich, que esteve presente ao evento.  Tanto ele quanto o ator Paulo Vieira identificam um incômodo que esse tema - velhice - desperta entre as pessoas, não só no Brasil como no mundo e que o espetáculo acaba levando às plateias, por mais diferentes que sejam.  

"Vivemos uma época em que as pessoas se voltam para si mesmas, se isolam, não pensam no outro.  Com o envelhecimento da população, esse problema da solidão dos idosos vem se agravando e é preciso que as pessoas cada vez mais reflitam sobre essa etapa da vida que vai chegar para todos que não morrerem jovens", completou o ator Paulo Vieira.

  Dependendo da faixa etária, o espetáculo gerou reflexões diferentes.  Para a aluna Juliana Galdino, 17 anos, o abandono dos pais idosos é algo absurdo.  "Eu jamais agiria como o filho da senhora da peça.  Como pode uma pessoa morrer e ninguém se lembrar dela?", perguntou.  

"É claro que existem muitos casos de abandono, mas ele é parte de um problema maior, que é a discriminação contra o idoso.  As pessoas começam a achar que ele não é capaz de mais nada; ele próprio começa a se entregar e passa a depender dos outros para tudo. Para mim, está faltando é amor, não só pelos os idosos, mas pelas pessoas em geral", disse a dona de casa Marli Cardoso, mãe de uma aluna da reabilitação.

Para o aposentado Francisco Faria Neto, não precisa ser idoso para sentir os efeitos da discriminação e do isolamento.  "Basta ficar deficiente.  A gente que enxergava, trabalhava, tinha uma vida ativa, fica cego e se não tiver muito cuidado, acaba virando um objeto.  Um objeto que se leva daqui para ali, e mais nada.  Não pode.  A gente não pode se entregar, tem que aprender a conviver com a deficiência para não entregar a vida a uma única pessoa.  A gente conhece vários casos aqui no IBC de pessoas que ficam cegas e se recusam a aprender a ter uma vida independente do pai, da mãe", relata Francisco, que frequenta as atividades da Divisão de Reabilitação, Preparação para o Trabalho e Encaminhamento Profissional do IBC.

 

Fim do conteúdo da página