Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Notícias

IBC realiza III Colóquio Múltiplos Olhares sobre a Surdocegueira

O tema desse ano foi “Desafios na formação de professores para a inclusão” .

  • Publicado: Sexta, 06 de Dezembro de 2019, 10h12
  • Última atualização em Sexta, 06 de Dezembro de 2019, 14h41
  • Acessos: 1544
Plateia do III Colóquio Múltiplos Olhares sobre a Surdocegueira
Plateia do III Colóquio Múltiplos Olhares sobre a Surdocegueira

 O colóquio atraiu mais de 100 pessoas ao Teatro Benjamin Constant, nesta quarta-feira (4).  A organização do evento coube a dois grupos de pesquisa do IBC: o GPESC ( Grupo de Estudos e Pesquisa na Surdocegueira) e o GPTec (Grupo de Pesquisa em Tecnologias Educacionais e Tecnologia Assistiva na Deficiência Visual, Surdocegueira e Deficiência Múltipla), com apoio da Divisão de Pós-Graduação e Pesquisa (DPP). 

O diretor-geral do IBC, João Ricardo Melo Figueiredo, e a diretora do Departamento de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (DPPE), Elise de Melo Borba Ferreira, formaram a mesa de abertura. João Ricardo destacou a importância de oferecer espaços de diálogo e formação que no conjunto contemplem toda a diversidade de deficiências, para que as pessoas atendidas encontrem as condições estruturais e profissionais de uma “inclusão de verdade e não apenas formem números para estatísticas governamentais”. Já Elise Borba ressaltou a iniciativa da ação de disseminar o conhecimento sobre os aspectos técnicos e pedagógicos que precisam ser considerados para que se consiga fazer um bom trabalho de inclusão do surdocego na escola.

 

A 1ª mesa de palestras foi mediada pela professora Elisabeth Ferreira de Jesus (centro da foto) e iniciou com a palestra da professora Márcia Noronha de Melo  — líder do GPESC e  coordenadora do evento  (na foto ao lado à esquerda).  Ela  apresentou um breve histórico do atendimento à pessoa com surdocegueira no País.  "O atendimento ao surdocego no ambiente escolar no Brasil  foi impulsionado com a visita da escritora surdocega norte-americana Hellen Keller ao País, em 1953.  Já no IBC,  o trabalho com este público iniciou com um programa específico, criado na na década de 1990, com a professora Margarida Monteiro”, informou Márcia.  IIIcoloquiopalestrantesmesa1Em seguida, a professora abordou a falta de visibilidade e a carência de pesquisas e publicações sobre a surdocegueira, aproveitando a oportunidade para divulgar a revista Benjamin Constant como uma plataforma importante para a divulgação de experiências e reflexões sobre o assunto. 

Na sequência, a professora Bianca Della Líbera (na foto ao lado à direita), líder do grupo GPTec e coordenadora de educação a distância,  falou sobre as capacitações do IBC e os recursos tecnológicos utilizados por alunos com surdocegueira. Antes do intervalo, a militante na luta pelos direitos das pessoas com deficiência, Eulália Cordeiro (na foto superior com microfone na mão), que é portadora da Síndrome de Usher, uma alteração genética que pode causar a surdocegueira, deu rápido depoimento de sua trajetória de vida e de luta. 

 

IIIcoloquiosurdocegueiramesapalestrantes2Mediada por Ester Alves da Silva (na foto ao lado no centro), professora do IBC, a 2ª mesa de palestras teve a participação de duas convidadas externas: a  professora Elaine Cristina da Silva (na foto ao lado à direita), coordenadora de educação especial e inclusiva da Secretaria Municipal de Sapucaia/RJ, falou sobre o processo de acolhimento e inclusão do aluno com deficiência na rede e das estratégias de capacitação e troca de conhecimento entre os professores e demais profissionais da educação.  Já a  professora Shirley Rodrigues Maia (na foto ao lado à esquerda), da Associação Educacional para Múltipla Deficiência (AHIMSA), fechou as palestras abordando os desafios da aprendizagem da pessoa cega congênita.

 

 

Exposições

IIIcoloquioexposicaoCPRMO Colóquio contou também com duas exposições montadas no saguão do Teatro, ambas acessíveis ao tato.  A primeira mostrou trabalhos dos alunos da educação infantil (na foto abaixo) confeccionados dentro do projeto "Diversidade", com o tema "A diferença nos enriquece, o respeito nos une". Foi uma mostra resumida de uma exposição anterior, realizada no mês passado,  

A segunda exposição, com o título "Qual sua marca na história da Terra?", foi  organizada pela equipe do Museu de Ciências da Terra, de responsabilidade do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), que trouxe fósseis e fragmentos de animais e elementos encontrados na Terra vindos do espaço (na foto ao lado). 

 

 

IIIcoloquioexposicaoedinfantil 

 

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página